quinta-feira, 13 de setembro de 2012

O GALO BRIGADOR DE CAMPO GRANDE E UM POUCO DA HISTÓRIA FUTEBOLÍSTICA DE MS

Texto e fotos de Alexandre Diniz
 

Um pouco da História do Clube que foi o verdadeiro responsável por colocar Campo Grande no Mapa do Brasil



[LEGENDA: acima, lances da 2ª Partida das Semis do Brasileirão de 1977, entre Operário e São Paulo; dizem as "más" línguas que o Nosso Galo foi sumariamente roubado na capital paulista, na partida de abertura da Fase. NARRAÇÃO de Luciano do Valle! - Note o "Morenão" LOTADO... de operarianos! Eram tempos de orgulho da Cidade Morena...]


Um pênalti não marcado. Um gol em impedimento ao fim validado. Pode-se dizer que assim, tristemente, acabara a Epopeia do primeiro clube do Interior do Brasil a assombrar as Grandes Potências no Brasileirão.

Interior, sim, pois que Campo Grande ainda era dependente de Cuiabá. Todo o Sul do gigante Mato Grosso, apesar de suas nítidas diferenças, dependia de Cuiabá. Fala-se tanto sobre os prodígios do Guarani de Campinas, campeão de 1979, do Bragantino, finalista de 1991, do São Caetano, que, além de Vice-campeão em 2000, ainda teve a "ousadia" de disputar uma Final de Copa Libertadores, antes de Grandes, como o Corinthians, o Botafogo e o Atlético Mineiro, o Galo Brigador de Belo Horizonte.

Mas não nos percamos, o assunto aqui ainda é o Galo Brigador, sim... mas o de Campo Grande, Cidade Morena, que completa 113 anos de vida em 2012 (uma morena, digamos, ainda bem jovem).



[LEGENDA: O Galo, como quase todo sul-matogrossense, "manda ver" um Tereré...]




 
O BRASILEIRÃO DE 1977

Operário. Operário Futebol Clube. Um nome que, atualmente, causa risos e reações também de desdém teve um período áureo. Pode-se dizer que Campo Grande ficou conhecida nacionalmente justamente pelo timaço que, em 1977, deixou clubes/times de grande quilate no chão.

Isso mesmo: Campeonato Brasileiro de 1977. Na 1ª Fase, deixou para trás clubes que vivem subindo e descendo entre as atuais Séries A e B: Avaí de Florianópolis, Juventude de Caxias do Sul, além do Coritiba, que depois viria a ser Campeão, e é o atual Bi-vice da Copa do Brasil. Falta citar que o Galo Brigador de Campo Grande, ainda nesse início, lutou de igual para igual com Grêmio e Internacional. Surpreso(a)? Interessado(a)? Continuemos, então...

Pois eis que na 2ª Fase deixou para trás dois dos Quatro Grandes do Rio de Janeiro: Botafogo e Fluminense! E como existem botafoguenses e tricolores aqui em Campo Grande...

Assustado(a)?  Isso porque provavelmente não sabe o que aconteceu na 3ª Fase: divididos em 4 Grupos, os 23 remanescentes da contenda disputaram a única vaga que valia às Semifinais. O Operário de Campo Grande, aquele clube/time que hoje causa risadinhas de escárnio nos próprios campo-grandenses, deixou para trás o Palmeiras para ficar entre os QUATRO PRIMEIROS do BRASILEIRÃO! E numa chave que ainda contava com o Santa Cruz do Recife e o até então poderoso America, da Cidade Maravilhosa.

Voltamos aqui ao início: um pênalti não marcado, um gol em impedimento enfim validado. Foi o que aconteceu nas Semifinais contra o São Paulo, do goleiro Valdir Peres. Saiba você que a História do Futebol do Mato Grosso do Sul poderia ter sido diferente. Bem diferente!
 

 
[LEGENDA: Um time de Campo Grande já foi o TERCEIRO MELHOR do BRASIL! Sabia?!...]



 
OUTRAS ÉPOCAS

Quem entende de Futebol conhece o famoso Prêmio "Bola de Prata" da Revista Placar, hoje entregue em conjunto com a ESPN Brasil, já que era costumeiro aparecerem jogadores do Galo entre os concorrentes.

A "Revista Placar" noticiava o Campeonato Mato-grossense e o Sul-mato-grossense como hoje fala a respeito do Campeonato Pernambucano, Goiano e Paranaense.

Grandes jogadores saíram do Galo: conhecem o Lima e um tal de Müller, campeão em 1994, na Copa dos EUA?

Para um operariano, ou ao menos um campo-grandense que sabe de sua História e reconhece os grandes feitos de sua gente, soa como bela música saber que ninguém mais, ninguém menos do que Telê Santana, o último técnico brasileiro DE VERDADE, falou que "é sempre ruim jogar contra o Operário em Campo Grande", e saber que o hoje "risível" GALO quebrou um grande jejum do Grêmio de Porto Alegre, que não tomava 3 gols em uma única partida havia anos. Isso naqueles tempos. "Naqueles" tempos!...
 


[LEGENDA: Mestre Telê, o Cérebro por trás de DOIS dos maiores times de Futebol de TODOS OS TEMPOS*: "É sempre difícil enfrentar o Operário em Campo Grande!"
*: A "Lendária" Seleção Brasileira de 1982 (Copa na Espanha) e o São Paulo "Dono do Mundo" de 1992 e 1993.]


 
O QUE NÃO SE SABE HOJE

Se alguém lhe disser que o Operário chegou a aplicar uma goleada de 5 a 0 no Cruzeiro em pleno Mineirão, acreditaria? Não?! E POR QUE não?!!

Não se sabe hoje explicar bem a razão da queda não apenas do Operário, mas do Futebol do MS em geral. Nessa conta, coloque também o Comercial, o Diabo, arquirrival do Galo - que protagonizavam o "Come-Rário", um Clássico digno da Grandeza de um Sport Recife x Santa Cruz, Bahia x Vitória, Coritiba x Atlético Paranaense, até mesmo um Cruzeiro x Atlético Mineiro ou um Grêmio x Internacional.
 

[LEGENDA: O "Come-Rário": movimentava Campo Grande mais do que uma Exposição Agropecuária! Um "Gre-Nal" campo-grandense!
(Em meio à tanta vermelhidão, não sei se dá para notar o Galo tirando sangue do Diabo, com suas esporas!...)]


Culpa de quem? "Clube dos 13"? CBF? Má administração nas Federações? Dos próprios clubes? Quem tem a coragem de dizer o verdadeiro motivo da queda do nosso outrora poderoso Futebol de Rendimento? Eu prefiro ficar quieto...

Claro que o campo-grandense de hoje não sabe responder, nem lhe interessa, aliás. Estão ocupados com o dia a dia de Flamengo, Corinthians, Vasco da Gama, São Paulo...!

Óbvio: ninguém é obrigado a torcer por times locais assim como ninguém é obrigado a se apaixonar por uma garota pelo fato de a mesma ser sua vizinha...

Mas quem pode negar o RIDÍCULO que é ver o Operário de hoje enfrentar o Flamengo,em casa, no Morenão, com o "Pedro Pedrossian" LOTADO de campo-grandenses... Com a Camisa Rubro-negra?!!

Estive no mesmo estádio, ano passado, para ver Comercial x Vasco da Gama - que terminou naquela surra que você já sabe... Deu para rir não apenas do Comercial, mas também de amigos e colegas, entre outros conhecidos, que sei serem campo-grandenses, que vi baterem boca com os parcos comercialinos que apareceram!

O que será que os de fora pensam quando veem situações como essas?


E FICA A QUESTÃO...

Entre vários outros fatores, cabe perguntar: por que antes, quando éramos uma bela (e pequena) cidade interiorana, era questão de orgulho ou ser operariano ou comercialino, mas atualmente, já uma Capital - e das maiores e mais desenvolvidas do Brasil, o campo-grandense pede para que os times de outros Estados surrem os locais?

 
[LEGENDA: O O.F.C. de 1979: Primeiro Campeão do novíssimo Estado! (percebeu o Morenão CHEIO, ao fundo?...)]



[LEGENDA: a outra ex-paixão campo-grandense, o Comercial, também dos Anos '70 passados... Note que o "Pedro Pedrossian" está igualmente LOTADO... de colorados!]

 

CAMPANHAS RELEVANTES DO OPERÁRIO NO BRASILEIRÃO:

1977 - 3º Lugar (hoje, valeria vaga na Copa Libertadores)

1979 - 5º Lugar (hoje, valeria vaga na Copa Sulamericana, ou até mesmo Libertadores, dependendo da ocasião)

1981 - 7º Lugar (hoje, valeria vaga na Copa Sulamericana)

 

Ah, sabe o Bayern München, atual vice-campeão da UEFA Champions League? Em 1982 perdeu um Torneio amistoso, na Coreia do Sul, para o "risível" Operário. Era comum o Galo receber convites do exterior. Não à toa, em 1974, marcou como sendo o clube brasileiro em excursão mais longeva: jogou contra a Seleção de Portugal (0 x 0), e contra a da Coreia do Sul (1 x 1).
 


[LEGENDA: Outro vídeo do Operário dos BONS TEMPOS: em uma Edição Brasileirão do início dos Anos '80 do Século passado, o Nosso Galo, apoiado por um Morenão LOTADO de operarianos, não deu chances a outro time de um Clube reconhecido por ser um dos "12 Grandes" do Brasil... Narração: GALVÃO BUENO, em Partida transmitida ao Vivo.]


RANKING DA CBF

Vale lembrar que, apesar de tudo, o Operário se encontra atualmente na 40ª posição do Ranking Histórico da CBF, à frente de clubes como São Caetano, América do Rio de Janeiro, Atlético Goianiense (hoje na Série A) e Bangu. O Avaí de Santa Catarina tem apenas 59 pontos a mais, e o Bragantino, 69. Esses dois atualmente lutam para subir à Série A, o que não é pouca coisa.
Postar um comentário