quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Dia do Chamamé - 19 de Setembro

Entre os ritmos da fronteira, o chamamé está entre os mais influentes para a música e a dança de Mato Grosso do Sul. Criado na Argentina, na cidade de Corrientes, no nordeste do país, o gênero chegou ao Brasil após o fim da Guerra do Paraguai (1864-1870) e até hoje influencia e alegra as festas sul-mato-grossenses, a ponto de ser comemorado hoje, dia 19 de setembro.
Zê Corrêa (1945-1974), o pioneiro do chamamé em Mato Grosso do Sul e no Brasil.

 Criado há dois anos, o espaço do Centro Cultural do Chamamé de Mato Grosso do Sul promove eventos para disseminar o gênero e preservar a sua história. Foto-Raquel-Ovelar


A data escolhida marca o falecimento do músico Tránsito Cocomarola, o “pai” do chamamé na Argentina. De acordo com o presidente do Centro Cultural do Chamamé, Manoel Alfredo Ferreira, conhecido como Elinho, o gênero é um dos mais importantes e influentes do Estado.

A origem integra raízes culturais dos povos indígenas guaranis, dos espanhóis e dos italianos. O Chamamé é uma junção de etnias (raças) e amor misturada, contando a história e paisagem do ser humano. E estendendo-se em outras fronteiras também. Os principais instrumentos usados no Chamamé são o Acordeon e o Violão. 

Este gênero sempre encantou em bailes populares e enriqueceu o repertório de muitos grupos chamamezeiros que não deixam o Chamamé acabar.




Um dado interessante é que a palavra chamamé vem do guarani e significa cobertura. Na verdade, ela tem duplo sentido, cobertura, que seria de parreira de uva, porque na época se bailava embaixo das parreiras e também com o sentido de uma coisa feita de improviso”, explica o presidente.

Na Argentina, o chamamé é cantado e tocado, acompanhado pelos sapucays, que, em guarani, significa “grito da alma”. Entre os ritmos folclóricos argentinos, como zambas, chacareras e milongas, o chamamé é o único a permitir a emissão de sapucays e também o único a utilizar acordeão de botão.
Postar um comentário