quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Você sabe o que é uma Comitiva Pantaneira e qual a sua importância para o Pantanal ?





No Pantanal, os períodos de chuva e de seca que definem a vida e ditam as regras ao homem pantaneiro. Na época das chuvas o Pantanal se inunda por completo, e o sertanejo é obrigado a afugentar seu gado para as partes mais altas da região numa tentativa de sobrevivência ao ciclo natural do bioma. O mesmo ocorre na seca, onde o pantaneiro é obrigado a conduzir seu gado pelo vasto campo, em busca de água e comida.

Assim nascem as comitivas pantaneiras formadas por grupos de peões de boiadeiro e suas montarias, o comissário era o dono da comitiva. O ponteiro era um peão experiente e conhecedor das estradas, que ia à frente tocando o berrante, nos momentos apropriados, para atrair, estimular a marcha ou acalmar o gado e dar sinais para os demais peões. Os rebatedores eram os peões que cercavam o gado, impedindo que se espalhassem. Os peões da culatra iam na retaguarda da boiada. Os peões da “culatra manca” ficavam para trás tocando os bois que tinham problemas para acompanhar a marcha da boiada, por cansaço, ferimento ou doença. 


Comitiva Pantaneira Foto: Bosco Martins


O cozinheiro saía mais cedo que os demais integrantes da comitiva, conduzindo os burros cargueiros com suas bruacas, nas quais levava os mantimentos e tralhas de cozinha, até encontrar um rio em cuja margem pudesse preparar a refeição, ou seja, “queimar o alho”. Conforme destacado acima, a terminologia podia variar de região para região.


Bem na hora da "queima do alho". Foto de Cleberson Carvalho





O berrante é uma buzina feita de chifres de boi unidos entre si por anéis de couro, metal ou chifre mesmo, e era usado pelos ponteiros para atrair, estimular ou acalmar o gado e dar sinais aos demais peões da comitiva. Ele emite sons, que podem ser graves ou agudos, dependendo do toque, a partir das vibrações do ar feitas pelos lábios do berranteiro em contato com o bocal mais estreito do instrumento. Esse bocal varia de acordo com a forma dos lábios, podendo ser mais raso ou mais fundo.

O Berrante - Foto: Divulgação

O peão de boiadeiro, integrando a sua comitiva pantaneira, percorria léguas e mais léguas pelo sertão, durante dias e até meses, tangendo o gado no lombo de mulas, vivendo toda a sorte de aventuras no estradão, ora enfrentando situações de perigo, como quando a boiada estourava ou tinha que cruzar um rio caudaloso, ora vivendo romances com as mocinhas nas vilas por onde passava, ora se divertindo com os companheiros à noite nos pontos de pouso, onde tocavam viola e dançavam o catira.


 Homem Pantaneiro. Foto de Antonio Carlos Banavitas


O peão de boiadeiro por onde passa despertam paixão das moças, a admiração dos jovens que queiram tornar-se um deles e o respeito dos demais homens.


Postar um comentário